PM e manifestantes entram em confronto em protesto contra Temer

News3

ANGELA BOLDRINI E LUCAS VETTORAZZO

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Centrais sindicais e movimentos de esquerda de todo o país marcham em Brasília contra o presidente Michel Temer (PMDB) e as reformas da Previdência e trabalhista e pela convocação de eleições diretas nesta quarta-feira (24).

Durante o protesto, participantes do ato e Polícia Militar entraram em confronto. Foram disparadas bombas de gás e de efeito moral. A cavalaria da PM chegou a investir contra os manifestantes, que responderam jogando pedras e paus.

Chamado pelas frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, que lideraram atos contra o impeachment de Dilma Rousseff, e pelas centrais sindicais, a manifestação saiu do estádio Mané Garrincha e segue em direção ao Congresso Nacional.

Os organizadores falam em mais de 100 mil pessoas. A Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal afirmou que até as 11h30 havia 25 mil manifestantes. O número estimado de ônibus que vieram de outros Estados é entre 500 e 600.

"A gente não merece passar por isso. Quase não tem nada e o que tem, eles querem tirar", diz o metalúrgico paulista Fernando Oliveira, 27, que saiu do Jabaquara, em São Paulo, na terça-feira (23), às 11h em direção à capital federal.

Entre as muitas categorias presentes, estão os agentes penitenciários, que chegaram a invadir o Congresso durante votação da reforma da Previdência em comissão no início de maio. Eles receberam uma salva de palmas ao passar por um dos carros de som que compõe a manifestação.

Entre as entidades presentes, estão a CUT (Central Única dos Trabalhadores), a UGT (União Geral dos Trabalhadores), a CTB (Central dos Trabalhadores do Brasil), o MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto), além de membros de partidos, sindicatos locais, entidades estudantis como a UNE (União Nacional dos Estudantes) e movimentos LGBT.

A Força Sindical também se uniu ao protesto contra o governo. Antes da revelação da delação da JBS, a central do deputado Paulinho da Força (SD-SP), se posicionava apenas contra as reformas trabalhista e da Previdência, mas não pedia a saída do governo.

Muitos carregam bandeiras e camisetas com o rosto do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "O melhor seria se entrasse o Lula mesmo", diz a doméstica Elza de Araújo, 51, que veio de Teresina acompanhar a manifestação.

Outros ainda não escolheram candidato. "É tanta safadeza que a gente nem sabe", diz o motorista mineiro Gabriel, 30. "Eu sei que a gente não aguenta mais o país ser tão hipócrita, e não aguenta mais comer só ovo de mistura."

A reportagem também encontrou manifestantes do Pará, do Rio Grande do Sul, Rio Grane do Norte, Rio de Janeiro, Espírito Santo, São Paulo, Distrito Federal e da Paraíba.

TENSÃO

O clima na marcha ficou tenso por volta das 13h30, quando os grupos chegaram ao bloqueio feito pela polícia, em frente ao Congresso.

Homens com máscaras anti gás e camisas laranja da Força Sindical forçaram as grades e instaram as pessoas a invadir o Parlamento.

A Polícia repeliu a tentativa com spray de pimenta. Do alto de um dos carros de som, sindicalistas pediam uma marcha pacífica e que as lideranças controlassem suas bases.

Um cordão humano de dirigentes sindicais foi formado para impedir embates entre manifestantes e a polícia.

O conflito quase saía do controle no início da tarde. A cavalaria e furgões da PM investiu contra manifestantes, que responderam jogando pedras e paus.

"Companheiros mascarados, por favor, retirem suas máscaras. Aqui tem mães, tem trabalhadores honestos. Nosso protesto é pacífico", disse a senadora Vanessa Grazziotin (PC do B-AM).

Na parte de trás da manifestação, dirigentes em carros de som pedem que o público espere, porque "o pau ainda está comendo solto lá embaixo". Eles pedem que os manifestantes não desçam em direção ao Congresso e não respondam a provocações.

Na altura do Museu Nacional, um jovem se feriu ao tentar acender um rojão e foi rapidamente socorrido pelo corpo de bombeiros.


Fonte: Yahoo

Compartilhe:

Deixe seu comentário